Inicial Notícias Brasil Desfile de 13 de setembro em Macapá pediu ‘pare’ a toda forma de violência; FOTOS

Desfile de 13 de setembro em Macapá pediu ‘pare’ a toda forma de violência; FOTOS

6 min read
0
0
37

O Desfile Cívico Estudantil da rede estadual de ensino na quinta-feira (13) na Avenida Ivaldo Veras, no Sambódromo de Macapá, reuniu 2,5 mil alunos de 39 escolas do Amapá. Nas faixas, cartazes e alegorias, os alunos apresentaram mensagens de paz e pediram “pare” a toda a forma de violência, temática dos desfiles deste ano: “Educação para a paz: a gente reconhece, estabelece e faz”.

VEJA FOTOS DO DESFILE CÍVICO NO SAMBÓDROMO

As apresentações começaram por volta das 16h, com as arquibancadas bastante ocupadas. A organização do evento e nem a Polícia Militar deram estimativa de público. Doze bandas marciais desfilaram este ano. E foi em clima de saudação à cultura da paz que o 13 de setembro comemorou o 75º aniversário de criação do Território Federal, que deu origem ao estado do Amapá.

Rafael Brito e as amigas vieral de Tartarugalzinho para desfilar pela primeira vez no Sambódromo — Foto: Rita Torrinha/G1

Rafael Brito e as amigas vieral de Tartarugalzinho para desfilar pela primeira vez no Sambódromo — Foto: Rita Torrinha/G1

Quem desfilou pela primeira vez no Sambódromo diz que a experiência valeu a pena. É o caso de Rafael Brito, de 23 anos, aluno da Escola Estadual Maria de Nazaré Ferreira, do município de Tartarugalzinho, que pela primeira vez participou com a banda marcial, e Rafael estava entre os músicos.

“Nos preparamos durante seis meses e foi do jeito que a gente esperava. Foi muito legal. Viemos de longe e fizemos bonito”, declarou o aluno.

Joana Pantoja foi prestigiar a filha e lembrou da época em que desfilava na Avenida FAB — Foto: Rita Torrinha/G1

Joana Pantoja foi prestigiar a filha e lembrou da época em que desfilava na Avenida FAB — Foto: Rita Torrinha/G1

Teve também mãe que foi prestigiar a filha, mas acabou se emocionando ao lembrar da própria trajetória como estudante.

“Eu já desfilei muito quando ainda era na Avenida FAB. Quando vejo a minha filha desfilando, lembro de mim. Tinha malabares, bandas, a gente usava sainha com pregas, sapato preto e meião branco. Era muito legal, gosto tanto que também vim assistir o desfile do dia 7 aqui”, falou a dona de casa Joana Pantoja, de 50 anos.

Escola Estadual  Dom Aristides Piróvano distribuiu flores para o público — Foto: Rita Torrinha/G1Escola Estadual  Dom Aristides Piróvano distribuiu flores para o público — Foto: Rita Torrinha/G1

Escola Estadual Dom Aristides Piróvano distribuiu flores para o público — Foto: Rita Torrinha/G1

E as escolas foram inventivas. A Dom Aristides Piróvano, por exemplo, distribuiu rosas brancas para algumas pessoas do público, em simbologia à paz e ao amor.

“Viemos mostrar um belo desfile, mas também pedir paz dentro da nossa escola, entre os nossos alunos, estamos trabalhando a formação cidadã. Também é um pedido de paz para a nossa comunidade, nosso bairro, a rua da nossa casa e em todos os lugares e setores”, explicou uma professora.

Bandas Marciais das escolas deram um show à parte — Foto: Rita Torrinha/G1 Bandas Marciais das escolas deram um show à parte — Foto: Rita Torrinha/G1

Bandas Marciais das escolas deram um show à parte — Foto: Rita Torrinha/G1

Juntar tanta gente e organizar todo mundo, sendo de diferentes escolas, não é fácil. Segundo o coordenador geral do desfile, Josué Marques, o trabalho é incensante.

“Após o término deste desfile, a gente já vai pensar no do próximo ano, em qual será a temática, na logística, na organização. Para este ano, o nosso objetivo foi chamar a atenção para esse mal que atinge a todos, que é a violência em todos os seus aspectos, seja física, seja psicológica”, disse Marques, da Secretaria de Estado da Educação (Seed).

Carregar mais notícias relacionadas
Load More By Rodrigo Aires
Load More In Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

3,6 milhões de brasileiros tiveram título cancelado por não fazer o cadastro biométrico

Ao menos 3,6 milhões de brasileiros não poderão votar nas eleições de 2018 porque não fize…